quarta-feira, 11 de maio de 2011

No fim da alameda - Maria Helena Balen

No fim da alameda
vejo uma luz
(ou sinto?)
Me debato,
me arrasto
me arrisco
para chegar
onde me esperam
braços
que me abraçam,
me aninham
e perguntam
em doce acalanto:
Por quê?
Por que demoraste tanto?